.posts recentes

. Acidente com Grua na Baix...

. procuro foto dia 15/11/20...

. Viatura incendeia-se em f...

. Marchas Antoninas

. Colégio de StªMaria e An...

. Massamá

. Passagem de tornado nos A...

. Inudação Hoje (24 novembr...

. Fotos do Rio Este - Braga...

. falta de limpeza+canaliza...

.arquivos

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

.Abril 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
Este é um espaço de notícias e reportagens feitas pelos utilizadores do SAPO. Envie os artigos para aqui.
Depois de validação editorial serão publicados e, caso se justifique, destacados na Homepage do SAPO.
Sexta-feira, 1 de Setembro de 2006

"Porquê?"

 

Ainda sou do tempo em que se aprendia na escola, que havia quatro estações do ano: Primavera, Verão Outono e Inverno. Recordo com saudade, as redacções que se faziam sobre as mesmas, onde cada aluno expressava o seu sentimento sobre cada uma delas. Recordo-me ainda que nessas mesmas redacções, e enquanto os outros meninos davam preferência à Primavera, por ser mais colorida e os passarinhos fazerem os ninhos, as borboletas beijarem as flores, etc., eu dava preferência ao Verão. Dizia nas minhas composições, que gostava mais do Verão porque, era a época das férias grandes, e podia ir para o rio tomar banho e pescar com o meu avô, além de ser a época da fruta e ser a altura de os meus primos que viviam em França nos visitarem.
Não me lembro de em tempo algum eu, ou outro colega relatar nas suas redacções, que o Verão trazia fogos, seca, catástrofe, etc. Era tudo demasiado belo e simples.
Em todo o tempo que se resumiu a minha infância, recordo-me que por duas vezes tocaram os sinos da igreja, e saiu toda a povoação a correr com baldes para o local, indicado por alguém, no qual lavrava um incêndio, que era imediatamente aniquilado por um cordão com dezenas de metros, constituído por homens e mulheres que numa sintonia quase mecânica, despejavam alguns poços. Raramente haviam fogos, e os que apareciam eram sempre provocados por trovoadas.
Eram tempos simples, onde a simplicidade e “pacatez” das pessoas, não lhes permitia pensar em nada mais que não fosse ajudar com todos os meios ao seu alcance e com todas as suas forças, aqueles que de si necessitassem, por isso, tocava o sino, e esse sinal mais do que uma ordem era uma lei. Tudo funcionava no meio dessa simplicidade.
Desde aí, até agora não passaram muitos anos, no entanto, parece que estamos a séculos desse tempo. Nada é como dantes, tudo está alterado.
Não consigo entender como numa “vintena” de anos mudámos de mundo sem mudarmos de lugar. Neste espaço de tempo, houve uma metamorfose de mentalidades e interesses que ao entrarem em colisão entre si, geraram um conflito e uma ruptura com a natureza e tudo o que deveria ser natural.
E o que é natural?

 

Para mim, natural é tudo o que tem um percurso normal, culminando numa situação lógica.
E o que são as mentalidades em colisão?
Com excepção dos mais incautos ou descuidados, todos nós reparamos como presentemente, as pessoas não são colocadas profissionalmente, nem politicamente no lugar certo, ou seja, no lugar para que foram “talhados”.
Hoje, as pessoas são sobrevalorizadas ou subvalorizadas. São muito poucos, que estão no seu “patamar” lógico.
Houve um tempo, em que as pessoas construíam a pulso a sua posição na sociedade, através de todo um trabalho realizado em prol de qualquer actividade social ou política, e só depois adquiriam o seu estatuto, que lhe era reconhecido e conferido, por todos.
E hoje como é?
 É tudo mais simples. Hoje existe no nosso vocabulário mais umas palavrinhas (compadrios, cunhas e favores políticos), que não eram reconhecidas e aceites antes, e que vieram mudar o mundo.
É deste modo, que aparecem nos cargos maiores da Sociedade e da Política, os sobrevalorizados e em “cargo nenhum” os subvalorizados. São precisamente estes, que não têm cargo nenhum, que conseguem compreender que na questão dos fogos em Portugal, os milhões de euros, pagos aos meios aéreos privados, para combate a incêndios, só estimulam e incentivam, a que cada vez haja mais e maiores fogos. Não é difícil adivinhar, que essas empresas privadas, facturam mais numa época de incêndios (antes, chamada verão) do que em dez anos sem os mesmos.
Os sobrevalorizados, não conseguem compreender que estão a comparticipar a continuidade dos fogos, e que esses milhões de euros, dariam para adquirir “quites” de incêndio para os já existentes helicópteros da força aérea e alguns “canaderes”, seleccionando ainda alguns efectivos das forças militares para pilotarem os mesmos, numa altura de paz e que só eles não vêem que a nossa guerra são os incêndios.
Este ano o flagelo continua a devorar os hectares que restam da nossa mata, que há cinco anos era a mais extensa floresta de pinho da Europa. Em Agosto de 2005, tínhamos contabilizado só nós, 41% da área ardida de toda a Europa. Como é possível toda esta passividade das forças Políticas Nacionais e não declararem GUERRA aos incendiários, como alguns países fizeram com o terrorismo, que neste caso, até acaba por o ser. Quando um país está em guerra, entram em acção as forças militares, mas, aonde estão elas?
Enquanto houver interesses privados (e outros), todos os anos a catástrofe será maior.
No meio de tudo isto, só a flora e a fauna perdem, tudo o resto fica a ganhar, inclusive, em algumas situações, até os proprietários saem a lucrar com o fogo.
As Associações Ambientalistas, que sobrevivem de subsídios, e que existem (dizem elas) para proteger a Natureza, que passam a vida a complicar (quando são chamadas a dar parecer) nas criações de novas Zonas de Caça, construção de pontes, novas vias, etc., aonde estão enquanto essa mesma natureza arde? E o fazem para isso não acontecer? E o que fazem para proteger os animais, e dar-lhes o apoio médico e alimentar que eles necessitam após o fogo? 
Existe muita coisa que não faz sentido, e mais uma delas, é aquela do Serviço que informa o País com alertas laranjas e vermelhos, como se o calor, só por si, causasse algum fogo sem haver a acção descuidada ou propositada do homem (parecendo no entanto, ser de uma grande eficácia, como se tem notado no dia seguinte, com meia dúzia de fogos a deflagrarem em simultâneo precisamente nos pontos apontados por esse Serviço), ou o outro Serviço de Informação dos S.N.B., que informa constantemente pela rádio, enquanto conduzimos, quantos incêndios existem naquele momento em Portugal, ou se não há nenhum, num claro desafio a algum débil mental que esteja a ouvir e não goste que os Bombeiros descansem.
Enquanto os interesses particulares, privados e políticos se superiorizarem aos interesses Nacionais, enquanto cada pessoa, olhar o seu semelhante como sendo uma potencial fonte de receita, enquanto os que trabalham por conta de outrem, pagarem os impostos (que lhes são impostos), a nossa imagem manter-se-á bem “ made in Portugal”, e as estações do ano, no nosso País serão “infelizmente” duas: Inverno e Época dos Incêndios.
Cada vez, estou mais convicto (embora contrariando muita gente), que temos de ser nós, caçadores, a pôr ordem neste flagelo. Há uns anos, quando tudo começou e os incêndios começaram a ter uma regularidade, era a nós precisamente, que se apontava o dedo acusador de pessoas pouco informadas, que pensaram ter resolvido o assunto, ao arranjarem um “bode expiatório”, sem nada fazerem para se certificarem da veracidade das afirmações. Havia realmente uma suspeita, pelo facto de estarmos numa fase de transição do regime livre para o regime ordenado, sem no entanto, isto significar alguma prova.
Alguns anos passados, com o regime praticamente ordenado, e os caçadores adaptados à nova realidade, os fogos continuam a aumentar de ano para ano. E agora, quem vão esses Conservadores da Natureza “de secretária” acusar?
Nós caçadores, somos os únicos que conhecemos realmente o campo, não retiramos lucro dele, e parece-me que somos dos poucos, que estamos interessados que ele se mantenha intacto.
Agora que o terreno cinegético está ordenado, cada caçador, “se o for realmente” tem obrigação de preservar, vigiar e trabalhar na sua zona de caça. Têm também obrigação de ajudar a combater o incêndio, se for caso disso, e a ajudar a recuperar o património cinegético e florestal perdido.
As Zonas de Caça, quando bem trabalhadas, e com boa cooperação dos seus associados, devem ter no futuro, um papel fundamental na prevenção de incêndios, se quisermos continuar a desfrutar do maior prazer que pode ter um homem/caçador, até à eternidade, constituindo esse um privilégio, que só durará, enquanto continuar a haver local e espécies cinegéticas para o podermos exercer.
 
 
 Até lá, e continuação de boas férias!

NOTA: Procurei nas profecias de Michel de Nostradamus, se este tinha previsto algum dia, quiçá, cair neve com temperaturas de quarenta e tal graus, ou as Cidades serem engolidas por densos nevoeiros, debaixo de temperaturas infernais.
 Não previu isso realmente, mas, o certo é que nós todos infelizmente, assistimos constantemente a esse fenómeno que eu interpreto, como sendo a proximidade do fim dos tempos, que coincidirá com o fim de todos os recursos naturais, inclusive, o próprio ar respirável.
 DESCODIFICAÇÃO: A neve, é a chuva de cinza proveniente dos vários fogos, que cai, mudando de cor casas e carros, e o nevoeiro é o fumo proveniente dos mesmos que envolve tudo, até grandes distâncias.
 

 
Manuel António

tags:
publicado por Equipa SAPO às 18:38

link do post | comentar | favorito
|

.Destaques

Cidadão Repórter

.tags

. albergaria a velha

. alcobaca

. Alcobaça

. alcool

. aljubarrota

. antónio costa

. arder

. arrábida

. avioneta

. baixa da banheira moita cheias

. blogs

. bombarral

. bombeiros

. calamidade

. câmara

. caparica

. carro incêndio fogo oeiras

. castelo branco

. Cerdeira do Côa

. charneca

. cigarros

. edp

. estado

. estudante

. fauna

. festa

. flora

. floresta

. fogo

. fogo posto

. fogos

. fotos

. galiza

. gasolineira

. gip

. GIP´s

. gnr. ministro

. governo

. homepages

. Ílhavo

. incendio

. incendios

. incêndios

. israel/libano

. judiciaria

. juventude

. kosovo

. leis

. lucro

. mação

. notícias

. on-line

. ota

. ouca

. ovni 2001

. pac

. peneda-geres

. Porto de Mós

. portugal

. proprietário

. pulseiras

. reportagens

. reservas ecológicas

. rtp1

. São Pedro do Sul

. sapo

. sardoal

. tabuaço

. tags

. tgv

. timor

. turquel

. vagos

. voluntarios

. vouga

. todas as tags

.subscrever feeds

.Uma página